Os benefícios da meditação para mulheres

Com o ritmo acelerado do cotidiano, fica cada dia mais difícil encontrar tempo para meditar a palavra de Deus. Uma meditação por dia irá organizar os seus compromissos e proporcionar um momento de reflexão descontraído e profundo em qualquer lugar.

Novas pesquisas sugerem que as mulheres que meditam poderiam ter uma função sexual melhor do que aquelas que não meditam.

Praticada há séculos, a meditação proporciona equilíbrio entre mente e corpo por meio da calma e do foco. Pesquisas anteriores sugerem que a meditação pode ser útil para condições como estresse, ansiedade e doenças cardíacas, além da saúde sexual.

meditacao

Para aprender mais, os pesquisadores entrevistaram 450 mulheres com idades entre 19 e 70 anos e fizeram perguntas sobre seus hábitos de meditação e sua função sexual. Cento e noventa e três mulheres disseram que meditaram; o resto não.

Os pesquisadores descobriram que as mulheres que meditavam tinham melhores pontuações em avaliações de saúde sexual, particularmente para desejo, excitação, lubrificação e orgasmo. No entanto, não ficou claro se a frequência da meditação ou a duração da experiência global de meditação tiveram algum papel nos resultados.

É possível que a atenção plena da meditação, junto com a concentração no momento presente, tenha melhorado o bem-estar mental das mulheres, o que poderia tê-las ajudado sexualmente. Além disso, as mulheres podem ter aprendido a se concentrar mais em suas experiências sexuais “no momento”.

Muitos fatores podem contribuir para os problemas de saúde sexual das mulheres, como estresse, ansiedade e alterações hormonais. Um exame médico completo é recomendado para qualquer pessoa que tenha dificuldades sexuais.

Ainda assim, enquanto a meditação não é uma cura para problemas sexuais, pode valer a pena tentar. As mulheres interessadas em meditação podem considerar fazer uma aula em sua comunidade ou pedir recomendações ao médico.

Recursos

“A meditação pode impulsionar sua vida sexual de uma maneira importante”, conclui o estudo